Category: Especialistas

Ergonomia – Ações eficazes para adequar e melhorar as condições de trabalho

alongar01Atualmente o mundo procura por melhores condições de trabalho e por melhores remunerações, por isso, cada vez mais, as pessoas estudam, trocam informações, se reciclam e principalmente atualizam-se, para ficar antenados e ligados em tudo o que acontece nesse ciclo globalizado em que vivemos. Mas ao mesmo tempo, com tanta informação disponível, ainda existem áreas e setores de diversas empresas nacionais ou internacionais, em que, muitas vezes, as condições de trabalho são severas e a palavra “Produção”, vem sempre em 1º lugar, expondo os indivíduos a trabalhos repetitivos de alta intensidade, manuseio de cargas pesadas, posturas inadequadas e postos de trabalhos que mais parecem postos de “tortura”. Para mudar esse conceito, muitas empresas estão adotando praticas ergonômicas para adequar e melhorar as condições de trabalho de seus profissionais, mas por que ainda é tão pouco falado e divulgado sobre isso?

 

Acredito que essa resposta seja simples, é que essa ciência, a Ergonomia, ainda é muito jovem, e precisa sim, ser melhor divulgada e muito mais aplicada, engana-se quem acha que essas ações são de privilégios apenas das grandes empresas ou que isso irá custar muito caro, tenho certeza que, com a informação correta, boas análises, protocolos eficazes e boas intenções, é possível sim, aplicar uma Ergonomia de baixo custo e grandes resultados, basta contar com pessoas qualificadas, experientes e dispostos a pensarem em alternativas simples que possam fazer toda a diferença.

 

Ergonomia, nada mais é que, estudar, avaliar e alterar as condições de trabalho inadequadas, para condições de trabalho adequadas, “Adequar o ambiente do trabalho ao Ser Humano”, porém três palavras não podem faltar nessas mudanças, são elas: Conforto, segurança e produtividade. Com elas bem alinhadas, com certeza iremos falar que a Ergonomia ajudou as pessoas e as empresas, pois o trabalhador que exerce suas atividades com: boa postura, equipamentos nas alturas e distâncias corretas, luminosidade adequada, conforto térmico e ajustes com regulagens de fácil acesso, estará trabalhando com mais conforto físico/postural, com mais segurança, pois tudo foi ajustado a sua necessidade, e é claro, será muito mais produtivo e consequentemente se ausentará do trabalho muito menos e a Ergonomia estará contribuindo para tudo isso.

 

Boas práticas fazem a diferença no dia a dia de trabalho

 

  • Participe das aulas de Ginástica Laboral, alongue-se, pois boa preparação física é indispensável
  • Não carregue peso acima do recomendado e utilize técnicas posturais adequadas
  • Regule sua cadeira, monitor de vídeo e mesa na altura correta
  • Coloque todos os materiais que utiliza com frequência dentro de sua área de alcance
  • De tempos e tempos, mude a posição, levante-se e ande um pouco
  • Hidrate-se muito e não coma além do necessário
  • Abandone os vícios nocivos a boa saúde, não fume e não exagere na bebida alcoólica.
  • Se mesmo com essas dicas você ainda tem dúvidas, procure um bom profissional de saúde ou um ergonomista, um deles poderá orientar mais especificamente, de acordo com suas reais necessidades.

 

Cartão Angelo

Ortodontia é sucesso também em adultos

Por Dr. Eduardo Mendes Gotardo 

 

orto-1024 (1)Está comprovado: tratamento ortodôntico soluciona e é indicado para adultos com bastante eficácia. Foram desenvolvidas técnicas e abordagens capazes de abreviar os resultados, antes mais demorados, solucionar quadros mais complexos, e de difícil movimentação. Os dentes devem funcionar como uma engrenagem perfeita, o mal posicionamento gera força excessiva em alguns dentes, além de forçar outros, podendo causar: retração na gengiva e reabsorção do osso, principalmente quando associada à inflamação gengival (consequência de uma higienização ruim – falta do uso do fio e escova dental). Os casos mais graves de mal posicionamento com a presença de alguma parafunção como o apertamento dentário, podem causar a disfunção da articulação temporomandibular (DTM), caracterizado por dores e estalos na articulação temporomandibular (ATM).

 

De acordo com o especialista em ortodontia do Centro de Estudos Ortogotardo, Dr. Eduardo Gotardo, o paciente adulto, normalmente, procura o tratamento, para restaurar estética e à melhoria funcional. Os casos mais comuns são para recuperar o espaço de perdas dos dentes posteriores (molares) para a colocação do implante ou o fechamento do espaço do dente perdido e apinhamento (dentes tortos). Segundo o ortodontista, ao fazer os procedimentos é necessário ter cuidados especiais com a gengiva e osso alveolar, que devem estar saudáveis.
Após o tratamento o paciente deve utilizar a contenção por um longo período para evitar a recidiva. “Vale lembrar que no tratamento em crianças e adolescentes, a resposta clínica é mais rápida, favorável e mais estável”, alerta Dr. Gotardo.

 

Dr. Gotardo

 

 

Dr. Eduardo Mendes Gotardo
Especialista em Ortodontia . Especialista em Ortodontia Funcional dos Maxilares.
Curso de Ortodontia pela Universidade de Michigan USA. Coordenador do Centro de Estudos Ortogotardo em Sertãozinho-SP e Ribeirão Preto-SP

Acupuntura: uma grande aliada na qualidade de vida

Por Odinê Bechara

 

acupuntura

Muito se tem falado sobre esse tema.Quem não a busca? Como conseguir tal proeza em nossa vida diária? Alimentação balanceada e atividade física regular são hábitos saudáveis, porém existem outros aspectos de igual importância que também fazem parte dessa conquista. Há mais de 5000 anos, os médicos chineses preconizam que a saúde não é só a ausência de doenças, mas sim o equilíbrio harmônico do ser humano como um todo. Desde a antiguidade, os povos orientais, principalmente os Chineses, já faziam uso de ervas, massagem e acupuntura com fins terapêuticos. Esse conceito milenar concentra-se em trazer os sistemas orgânicos internos em equilíbrio, fortalecendo os mecanismos de defesa naturais do paciente, permitindo que o corpo restabeleça sua harmonia e seu equilíbrio, que se processa através do fluxo de Qui (energia vital), nos aspectos Yin e Yang (forças opostas e complementares) e na interação dos cinco elementos que correspondem também à fisiologia chinesa contidos numa inter-relação dinâmica e individual. Dessa forma os fatores de adoecimento, segundo a Medicina Tradicional Chinesa, são aqueles relacionados com a ruptura deste equilíbrio, ou seja, são as causas da patologia.

 

Dentre algumas patologias em que o atendimento com Acupuntura melhora substancialmente a qualidade de vida do paciente, podemos citar a Fibromialgia, Neuralgia do Trigêmeo, Dores Orofaciais, DTM Muscular, Bruxismo, entre outras. Os fatores de adoecimento podem estar relacionados ao meio ambiente (fatores externos); às emoções e sentimentos (fatores internos) ou ainda a fatores mistos que incluem alimentação, estilo de vida, excesso de atividade física, ocupação, traumas, hereditariedade, etc.

 

Viver de forma mais saudável tornou-se atualmente um objetivo realizável. Muitos já se preocupam com a saúde de uma forma preventiva e têm como grande aliada o uso da Acupuntura como técnica efetiva no combate à dor e restabelecimento do equilíbrio orgânico. O nosso mundo invisível só se tornará visível quando nossos olhos conseguirem enxergar mais além. O respeito a si mesmo, a autoestima nos proporciona mais recursos para buscar saúde, alegria, felicidade e, consequentemente, mais qualidade de vida.

 

 

14- odine bechara

Odinê Bechara

Acupunturista: Formada pelo Instituto Brasileiro de Acupuntura.
Aperfeiçoamento na Xiamen University ( CHINA)
Acupuntura Sistêmica : Dor Orofacial | DTM | Neuralgia | Bruxismo.
Cirurgiã Dentista: Estética Dental I Reabilitação Oral I Endodontia.
Rua Cap. Adelmio Norberto Silva, 570, Sala 26 I Ribeirão Preto SP.
Fone (16) 3911 7017 – dina.log@hotmail.com

Tecnologia promove inovação ao tratamento de implante dentário

Avanços como simulação virtual em 3D da cirurgia é uma das novidades

 

Os implantes dentais são parafusos de titânio (raízes artificiais) que, instalados no tecido ósseo, vão se fixar por um processo conhecido como osseointegração. Dessa forma, funcionam como base para a instalação de próteses fixas capazes de proporcionar conforto e eficiência na mastigação, reestabelecendo a estética e auto estima dos pacientes. De maneira similar aos dentes naturais, podem substituir dentes unitários ou grupos de dentes como nos casos de dentaduras superiores e inferiores, onde se usa implantes para reter e estabilizar estas próteses, com índice de sucesso de aproximadamente 98%.

 

CientíficoA odontologia, assim como outras áreas da ciência da saúde, apresentou grande desenvolvimento nos últimos anos. Avanços nas áreas da informática, engenharia de tecidos e de materiais talvez tenham sido os principais responsáveis por esta transformação. Em alguns casos, os pacientes não apresentam volume ósseo suficiente para instalação do implante. Isso geralmente ocorre devido a processos infecciosos ou acidentes que levaram à perda prematura de dentes. Nestes casos, faz-se necessária a reconstrução destas áreas através de enxerto ósseo. Felizmente, com a evolução na área da engenharia tecidual e de materiais, estes procedimentos tem sido cada vez mais conservadores e efetivos para viabilizar a instalação dos implantes dentários.

 

Os implantes dentários, que no início eram realizados através de cirurgias com grandes incisões, atualmente são realizados por procedimentos minimamente invasivos. Dinamismo e menor trauma durante o procedimento cirúrgico, melhor pós-operatório e customização do resultado estético são fatores que têm norteado o desenvolvimento de recursos tecnológicos para uma implantodontia contemporânea. Como parte dessa evolução, o implantodontista tem a possibilidade de trabalhar com ferramentas avançadas de planejamento virtual. Hoje, a partir de um exame de tomografia computadorizada da arcada dental, o especialista pode inserir o exame em um software e simular todo o procedimento cirúrgico virtualmente no computador, podendo assim determinar com precisão o melhor posicionamento para os implantes dentais. É possível ainda, em determinados casos, transferir esse planejamento virtual para uma guia cirúrgica que é confeccionada a partir de um processo de prototipagem eletrônica, o que permite a realização da cirurgia sem a necessidade de cortes para a exposição do tecido ósseo, sendo confeccionado apenas uma pequena perfuração no tecido para a instalação do implante de maneira minimamente invasiva.
O planejamento estético é outra etapa do tratamento que pode ser realizada virtualmente pelo computador. Com imagens adquiridas através de meios digitais como fotos e vídeos, traçamos linhas de simetria facial e dental que identificam possíveis discrepâncias que podem comprometer a harmonia do sorriso, norteando dessa forma o plano de tratamento e os procedimentos a serem executados.

 

Está claro que a tecnologia estará cada vez mais presente no nosso dia-dia e na rotina do consultório odontológico, cabendo ao cirurgião dentista se atualizar e acompanhar essa evolução de modo a tornar o planejamento cada vez mais personalizado, avaliando cada caso de maneira particular, permitindo oferecer ao paciente a melhor opção possível para se atingir o resultado desejado.

 

 

Rafael Faeda

 

Prof. Dr. Rafael Silveira Faeda
Mestre e Doutor e Especialista em Priodontia (UNESP – Araraquara)
Professor do Curso de Mestrado em Implantodontia – UNIARA
Professor dos Cursos de Especialização em Implantodontia da APCD-São Carlos (Coordenador)
e APCD-Ribeirão Preto – SP. Contato: (16) 3635-2936
Rua Florêncio de Abreu, 681 – 10o Andar – conj.1003 – Centro – Ribeirão Preto-SP

 

Halitose – Como acabar com o mau hálito

É fundamental, antes de iniciar o tratamento, da halitose ou mau hálito, fazer
o diagnóstico etiológico, para determinar a causa. As causas podem ser diversas, entretanto, a maioria dos casos, cerca de 90 a 95% ocorrem por desordens na cavidade bucal, sendo a mais comum a placa bacteriana. São fatores desencadeante da halitose a má conservação dos dentes, inflamação das gengivas, abscessos, menor produção de saliva, ressecamento da boca, decorrente de jejum prolongado. Os demais casos – extra-bucal – de 5 a 10 % a outros fatores: quadro inflamatório nas vias aéreas, as doenças gastrointestinais, sistêmicas ou metabólicas, tabagismo, consumo excessivo de álcool, ingestão de certos alimentos. Profissionais de diversas especialidades da Odontologia explicam como evitar e tratar a Halitose.

 

A halitose costuma não ser percebida pelo portador do distúrbio, no entanto, mas chega a provocar repulsa nas pessoas do seu relacionamento. É possível medir o grau da halitose utilizando aparelhos como o halímetro. Existem alguns modelos portáteis que permitem aos pacientes controlar a intensidade do distúrbio. A halitose não é uma doença, mas um sintoma de que algo não vai bem no organismo. Por isso, destacam os especialistas, é fundamental determinar a causa do odor desagradável na boca, para introduzir o tratamento que, ás vezes, pode exigir a participação de especialistas em diferentes áreas. Na maioria das vezes a halitose é controlada com uma boa higiene bucal, remoção da saburra e enxagues com produtos específicos. Entretanto, o mau hálito pode ser sintoma de doenças ou disfunções importantes e neste caso é fundamental procurar ajuda profissional.

 

linda_editUm dos fatores causadores da Halitose é a cárie, principalmente as extensas e abertas. O alerta é da Dra. Tatiana Gonçalves – que atua como Endodontista. Segundo ela, nestes locais os alimentos podem ser acumulados e geralmente não são totalmente removidos no momento da higiene bucal. Quando a cárie é profunda pode atingir a polpa dentária, provocando as pulpites (inflamações da polpa) e possíveis focos de material purulento por infecções pulpares.
“O odor é muito desagradável e é por este motivo que há o mau hálito. A única solução é tratar aquele dente que está causando esta complicação. Isso se resolve fazendo o tratamento da remoção dessas cáries ou o tratamento Endodôntico (canal)”, explica Dra. Tatiana Gonçalves, recomendando como prevenção a visita regular, a cada 6 meses, ao Cirurgião-Dentista.

Borin Neto color_edit

 
De acordo com Dr. Antonio Borin Neto – especialista e mestre em Ortodontia, especificamente na sua especialidade a halitose está ligada diretamente a escovação, o paciente que usa aparelhos fixos e quanto mais aparelhos a situação fica ainda mais delicada. “O paciente precisa escovar sempre após cada refeição, tanto as principais quanto as fora de hora ou complementares, nas principais não deixar de escovar também a língua”, recomenda Dr. Borin Neto.

 

edme.2_editDe acordo com a cirurgiã-dentista – Dra. Edme Mello, que atua como Odontogeriatra, a halitose é bastante frequente no paciente idoso, devido a vários fatores, como: xerostomia fisiológica, alterações neuromusculares que causam dificuldade de mastigação, articulação, deglutição, e também higienização, presença de doenças sistêmicas, como diabetes; ingestão de medicamentos que alteram a qualidade e quantidade de saliva, respiração bucal, apnéia do sono, etc.“O enfoque deve estar principalmente no controle da automedicação, ingestão de água e orientação sobre higiene e alimentação.” salienta Dra. Edme Melo.

 

regisO implante é hoje a mais frequente escolha para casos de perda de dentes e a sua permanência na boca depende da manutenção feita pelo paciente, envolvendo uma adequada higienização, orienta Dr. Regis Peporini – especialista em Implantodontia. Segundo ele, o mau hálito pode ocorrer não devido ao implante e sim por uma má higienização. A higienização do implante pode ser complementada com escovas interdentais, que possibilitam a limpeza da região entre os dentes e a gengiva sem traumatizar os tecidos e os implantes, explica o implantodontista. “O descuido com a higiene dos implantes pode causar não só halitose, como o surgimento de doenças peri-implantares, reações inflamatórias ao redor dos implantes, além de comprometê-los, podem afetar a saúde como um todo”, alerta Dr. Regis Peporini.

 

especialistas1

 

especialistas2