Category: Acupuntura

Depressão e Acupuntura

Por Maria do Vale Oba

 

A rotina nos dias atuais causa alguns problemas de saúde ou distúrbios emocionais, problemas referentes à qualidade de vida. Atualmente a depressão afeta de 5% a 15% da população mundial. A depressão é um distúrbio comum entre a população geral, sendo um estado de alteração das emoções e do ânimo, que leva a alterações físicas, emocionais e mentais. Os sintomas da depressão são muito variados, como sensações de tristeza, pensamentos negativos e/ou suicidas, até alterações da sensação corporal, como dores, desconforto no batimento cardíaco e enjoos.

 

depressaoA acupuntura estimula as fibras sensitivas do Sistema Nervoso Periférico (SNP) fazendo com que ocorra uma transmissão elétrica via neurônios para produzir alterações no Sistema Nervoso Central (SNC), o qual libera substâncias (exemplo.: cortisol, endorfinas, dopamina, noradrenalina, serotonina) que promovem bem-estar, prevenção e tratamento de doenças, sejam elas psicológicas, biológicas e/ou comportamentais. Alguns desses neurotransmissores, notadamente a serotonina, noradrenalina e dopamina, estão muito associados ao estado afetivo das pessoas. Assim sendo, hoje em dia é mais correto acreditar, que o deprimido não é apenas uma pessoa triste, aliás, alguns deprimidos nem tristes ficam. É mais acertado acreditar nos deprimidos como pessoas, que apresentam um transtorno da afetividade, concomitante ou proporcionado por uma alteração nos neurotransmissores e neuroreceptores. Normalmente a pessoa com depressão apresenta perda de energia ou interesse, dificuldade de concentração, alterações do apetite e do sono, lentificação das atividades físicas e mentais, sentimento de pesar ou fracasso. A acupuntura tem sido muito procurada por pessoas, que buscam uma terapia alternativa e natural para aliviar a ansiedade e a depressão.

 

Acupuntura promove o equilíbrio físico (biológico) e mental, aumentando a produção de endorfina e serotonina, responsáveis pela sensação de bem estar, sem agredir o corpo e a mente. Existem diversos estudos científicos, que comprovam a eficácia da acupuntura para estes fins, podendo ser facilmente associada a outros tipos de tratamentos como o medicamentoso e a psicoterapia. Durante a sessão o paciente experimenta a agradável sensação de leveza, induzida pelo estímulo dos pontos de acupuntura.

 

Um dos grandes problemas da depressão é um desequilíbrio hormonal onde a auriculoterapia em junção com a acupuntura sistêmica age muito bem neste caso. Cada sessão de acupuntura para o caso de depressão dura cerca de 30 minutos e é recomendada uma por semana durante o tratamento (10 sessões).
Após as aplicações é feita reavaliação.

 

maria

 

Profa Dra Maria do Vale Oba
Profa da Escola Ana Néri de Acupuntura e Massoterapia de Ribeirão Preto. Especialista em Acupuntura pela Universidade de Pequim-China. Hanna Espaço de Terapias Alternativas
Rua Roque Pippa 416-Bonfim Paulista-Ribeirão Preto.Fone:(016) 3234-38629 ou 99196-5217
e-mail: mariaoba@oulook.com

Acupuntura: uma grande aliada na qualidade de vida

Por Odinê Bechara

 

acupuntura

Muito se tem falado sobre esse tema.Quem não a busca? Como conseguir tal proeza em nossa vida diária? Alimentação balanceada e atividade física regular são hábitos saudáveis, porém existem outros aspectos de igual importância que também fazem parte dessa conquista. Há mais de 5000 anos, os médicos chineses preconizam que a saúde não é só a ausência de doenças, mas sim o equilíbrio harmônico do ser humano como um todo. Desde a antiguidade, os povos orientais, principalmente os Chineses, já faziam uso de ervas, massagem e acupuntura com fins terapêuticos. Esse conceito milenar concentra-se em trazer os sistemas orgânicos internos em equilíbrio, fortalecendo os mecanismos de defesa naturais do paciente, permitindo que o corpo restabeleça sua harmonia e seu equilíbrio, que se processa através do fluxo de Qui (energia vital), nos aspectos Yin e Yang (forças opostas e complementares) e na interação dos cinco elementos que correspondem também à fisiologia chinesa contidos numa inter-relação dinâmica e individual. Dessa forma os fatores de adoecimento, segundo a Medicina Tradicional Chinesa, são aqueles relacionados com a ruptura deste equilíbrio, ou seja, são as causas da patologia.

 

Dentre algumas patologias em que o atendimento com Acupuntura melhora substancialmente a qualidade de vida do paciente, podemos citar a Fibromialgia, Neuralgia do Trigêmeo, Dores Orofaciais, DTM Muscular, Bruxismo, entre outras. Os fatores de adoecimento podem estar relacionados ao meio ambiente (fatores externos); às emoções e sentimentos (fatores internos) ou ainda a fatores mistos que incluem alimentação, estilo de vida, excesso de atividade física, ocupação, traumas, hereditariedade, etc.

 

Viver de forma mais saudável tornou-se atualmente um objetivo realizável. Muitos já se preocupam com a saúde de uma forma preventiva e têm como grande aliada o uso da Acupuntura como técnica efetiva no combate à dor e restabelecimento do equilíbrio orgânico. O nosso mundo invisível só se tornará visível quando nossos olhos conseguirem enxergar mais além. O respeito a si mesmo, a autoestima nos proporciona mais recursos para buscar saúde, alegria, felicidade e, consequentemente, mais qualidade de vida.

 

 

14- odine bechara

Odinê Bechara

Acupunturista: Formada pelo Instituto Brasileiro de Acupuntura.
Aperfeiçoamento na Xiamen University ( CHINA)
Acupuntura Sistêmica : Dor Orofacial | DTM | Neuralgia | Bruxismo.
Cirurgiã Dentista: Estética Dental I Reabilitação Oral I Endodontia.
Rua Cap. Adelmio Norberto Silva, 570, Sala 26 I Ribeirão Preto SP.
Fone (16) 3911 7017 – dina.log@hotmail.com

Acupuntura na Odontologia

Promover saúde requer responsabilidade, amor e, sobretudo dedicação. A saúde começa pela boca. Relaciono sempre meu trabalho com qualidade de vida, vislumbrando sempre a possibilidade de educar e conscientizar o paciente de sua responsabilidade frente a sua saúde como um todo. Essa é a afirmação da Dra. Odinê Bechara. A especialista ressalta os benefícios da acupuntura nos tratamentos odontológicos. Abaixo na íntegra as suas colocações.

 

UNI– Como a acupuntura vem se destacando na Odontologia?
Dra. Odinê: Apesar da Acupuntura ter mais de 5000 anos, seu uso na área Odontológica é relativamente recente. Tem sido uma ferramenta muito utilizada como um recurso clinico e terapêutico muito interessante e efetivo. Tem se destacado também na comunidade odontológica devido ao seu crescente número de trabalhos científicos publicados. Tornou-se hoje uma opção a mais de terapia, em que o profissional, além de adquirir novos conhecimentos, encontra um campo aberto a novas pesquisas na área de saúde.

 

UNI– Como funciona o tratamento?
Dra. Odinê: A Acupuntura visa tratar o todo ou seja, o chinês estuda o doente e não a doença em si. Para a elaboração de um protocolo de tratamento é necessário uma anamnese criteriosa. São feitas avaliações através de um questionário especifico baseado na Medicina Tradicional Chinesa, onde colhemos dados sobre seus hábitos de vida, alimentação, alterações sutis (como as emoções), métodos de palpação dos músculos envolvidos no processo de dor , pulsologia, avaliação da língua, desgastes atípicos nas restaurações, entre outros. Em seguida o paciente é submetido as sessões de Acupuntura sendo reavaliado a cada sessão.Existem técnicas auxiliares como o uso de aparelhos como Hai-hua, moxabustão, uso de ventosas, magnetoterapia ou ainda aplicação de laser e eletroacupuntura.

 

UNI– Por que usar a acupuntura na odontologia?
Dra. Odinê: Por várias razões, principalmente porque a Acupuntura tem se mostrado uma técnica de tratamento conservadora onde são obtidos resultados satisfatórios sem o uso de medicamentos devolvendo qualidade de vida ao paciente. Essa técnica milenar visa restabelecer a saúde, interferindo e harmonizando sua energia através dos meridianos( canais de energia onde se encontram os pontos de acupuntura) que estão associados a órgãos e vísceras. Sintomas como dores de cabeça, dores na face, na ATM, nuca, ombro, ouvido, entre outros, podem ser indícios de distúrbios na articulação temporo mandibular (ATM) comprometendo assim, os músculos que realizam os movimentos da boca. Dentre os benefícios desta técnica contamos com efeitos analgésicos e anti-inflamatórios que relaxam, controlam a ansiedade, o stress e a dor, como também aumentam a resistência imunológica do individuo. As dores Orofaciais, por exemplo, se apresentam muitas vezes de forma intensa, causando irritação, diminuindo a produtividade do individuo e afetando sua vida diária.Também tem sido utilizada na analgesia dentária ou como complemento da anestesia e no pré e pós cirúrgico devida a sua ação anti-inflamatória.

 

UNI – Acupuntura substitui a anestesia do dentista?
Dra. Odinê: Penso que não é esse atualmente o foco. Não se trata de diminuir e sim somar recursos. A acupuntura deve ser vista e utilizada como recurso terapêutico efetivo pelas inúmeras atuações e bons resultados que apresenta. No pré-atendimento odontológico, pode ser de grande valia para pacientes ansiosos e com fobia a tratamentos odontológicos, assim como para pacientes hipertensos e portadores de doenças sistêmicas, possibilitando um atendimento menos traumático. Cada caso é um caso, o bom senso nos permite sempre boas escolhas. Sei de colegas inclusive que já fizeram exodontias (extrações) somente com o uso da Acupuntura.

 

UNI– Onde as agulhas são aplicadas?
Dra. Odinê: As agulhas são aplicadas em acupontos (pontos de acupuntura) ao longo dos Meridianos, que são os canais de energia que de alguma forma estão bloqueados causando dor. Estes pontos podem ser locais e sistêmicos. No tratamento que realizo em minha clínica faço uso de várias técnicas conforme a necessidade do paciente. Antes do agulhamento é necessário uma assepsia na região, com álcool 70%. Hoje contamos no mercado com agulhas descartáveis que oferecem mais segurança ao paciente.

 

UNI– Existe alguma contraindicação?
Dra. Odinê: De uma forma geral o tratamento com acupuntura não possui contra- indicação, entretanto a literatura cita que devemos evitar o seu uso em pacientes que apresentem estados excessivamente debilitados, como embriaguez,excesso de fome, sede e sudorese.

 

 

odinê-Xiamen 184

 

Odinê Bechara
Acupunturista: Formada pelo Instituto Brasileiro de Acupuntura.
Aperfeiçoamento na Xiamen University ( CHINA)
Acupuntura Sistêmica | Dor Orofacial | DTM | Neuralgia | Bruxismo
Cirurgiã Dentista: Estética Dental I Reabilitação Oral I Endodontia Especializada.
Rua Cap. Adelmio Norberto Silva, 570, Sala 26 I Ribeirão Preto – SP
Fone (16) 3911 7017 – dina.log@hotmail.com

Acupuntura

Uma ampla discussão começou, com a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que acatou uma ação movida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura, tornando nulas resoluções de conselhos de farmácia, psicologia, enfermagem e fisioterapia na prática da acupuntura. Os Conselhos das profissões da saúde que utilizam a prática da acupuntura entraram com recursos questionando a decisão.
A questão coloca frente a frente diferentes entidades de profissionais de saúde. De um lado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA) são a favor da limitação. Do outro, Conselhos Federais de Psicologia (CFP), Farmácia (CFF) e Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) são contra.
O Conselho Nacional de Saúde (CNS) do Ministério da Saúde divulgou nota recomendando aos gestores e prestadores de serviços de saúde que observem o caráter multiprofissional em todos os níveis de assistência na implementação de políticas ou programas de saúde referentes às práticas integrativas e complementares, como a acupuntura. Ainda, na manifestação do Coffito, lembra o conselheiro nacional de saúde Wilen Heil e Silva, também do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), salienta “Na prática, não apenas médicos podem exercer a acupuntura. A contratação de forma multiprofissional é preconizada pela Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde”. Para sanar dúvidas, a UNIsaúde, buscou informações sobre o assunto junto a outros conselhos, inclusive o CRM, entretanto, até o fechamento da edição, não obteve respostas.
O presidente da Seccional São Paulo da Sociedade Brasileira de Fisioterapeutas Acupunturistas – SOBRAFISA, 
drjoaoDr. João Eduardo de Araujo
 – Fisioterapeuta Especialista em Acupuntura, se dispôs a falar sobre a questão e concedeu entrevista exclusiva à UNIsaúde. Dr. João é Mestre e Doutor em Ciências, Área Psicobiologia pela FFCLRP-USP; Docente do Curso de Fisioterapia da USP Ribeirão Preto. Segundo ele, os profissionais da Saúde devem procurar suas associações de especialidades, para terem seus direitos profissionais e constitucionais garantidos. Dr. Araujo destaca que sem votação de projeto lei que regulamente a profissão de Acupunturista no Brasil, não se pode impedir quem quer que seja de utilizar a Acupuntura em todo Território Nacional. Abaixo na íntegra as colocações do Dr. João Araujo.

UNI: Há anos a Acupuntura é praticada no Brasil por profissionais de várias da saúde. Como foram preparados para isso?

Dr. João Araujo: A Acupuntura chegou ao Brasil na década de 60 por imigrantes chineses, dessa maneira, foram os leigos que trouxeram e iniciaram sua prática. Em 1985, a primeira presidente do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), a Dra Sônia Gusman, editou a resolução COFFITO 60 que reconheceu a Acupuntura como recurso complementar para os profissionais fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais. Veja que, foi essa resolução do COFFITIO, que vinculou a prática da acupuntura no Brasil à área da saúde.

UNI: Quem normatizava as regras para sua atuação, como foram reconhecidos como capacitados para atuar?

Dr. João Araujo: A partir da resolução COFFITO 60, diversos conselhos profissionais da área da saúde passaram a editar resoluções, autorizando seus profissionais a utilizarem a acupuntura. Durante aproximadamente dez anos, surgiram novas resoluções de diversos conselhos, bem como novas resoluções do COFFITO, com o objetivo de garantir a qualidade da acupuntura prestada pelos profissionais fisioterapeutas. Foi estabelecida uma carga horária mínima para o curso de formação em 1200 horas, com um período mínimo de integralização de dois anos. De certa maneira, os critérios estabelecidos pelo COFFITO, hoje são os referenciais adotados pelos cursos de Formação e Formação de especialistas em Acupuntura que existem no Brasil. Somente em 1995, o Conselho Federal de Medicina (CFM) editou como os outros conselhos, sua resolução de especialidade em Acupuntura. A partir dessa resolução o CFM entra com ações na justiça contra os conselhos profissionais que editaram suas resoluções anteriormente a sua, e tenta obter a exclusividade da utilização da Acupuntura pelo profissional médico. Os critérios de qualidade estabelecidos pelo COFFITO, seguido pelos outros conselhos da área da Saúde resultaram em mais de 25 anos da uma prática multiprofissional da Acupuntura sem um único dolo social comprovado.

UNI: O que muda com a decisão do STR? A anulação das resoluções implica na proibição do exercício da profissão?

Dr. João Araujo: Como falamos anteriormente, esse assunto está sendo discutido há aproximadamente 10 (dez) anos, quando o CFM ingressou com ações judiciais em face do Conselho Federal de Psicologia, do Conselho Federal de Farmácia e do COFFITO, tentando anular as resoluções desses Conselhos que regulamentam a prática da acupuntura por seus profissionais. Em primeira instância todas as decisões foram contrárias ao CFM. Nesse novo julgamento, o CFM obteve sucesso em 2ª Instância. Entretanto, há ainda recursos para o Superior Tribunal de Justiça (em 3ª Instância) e para o Supremo Tribunal Federal (em instância constitucional). Vale lembrar que a ação contra o Conselho Federal de Biomedicina, em 2ª Instância foi julgada no ano passado e o CFM mais uma vez foi vencido. Os Conselhos agora vencidos podem, ao recorrer, pleitear junto ao Tribunal Superior e ao Supremo, referido efeito suspensivo. Mesmo que não façam isso, enquanto o assunto esteja pendente de análise de recursos, não há trânsito em julgado da decisão da 2ª instância. Dessa maneira, nada mudou em relação à prática da acupuntura no Brasil. Até mesmo os convênios de saúde, que declaram suspender o pagamento por sessões de Acupuntura realizadas por não médicos, já noticiaram a continuidade do serviço sem nenhuma modificação.

UNI: Como ficam esses profissionais, que direitos tem a partir de então? Como podem agir para assegurar seus direitos?

Dr. João Araujo: É importante também esclarecer a população e os profissionais, que nenhuma ação jurídica pode interferir no direito de qualquer profissional, seja da área da saúde ou não, de atuar como acupunturista no Brasil. A Acupuntura é uma profissão/ocupação descrita na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), onde encontramos os códigos fisioterapeuta acupunturista 2236-50, psicólogo acupunturista 2515-55, médico acupunturista 2251-05 e técnico em acupuntura 3221-05. Entretanto, ainda não existe lei federal regulamentando a profissão de Acupunturista no Brasil e dessa maneira então a Constituição da República Federativa do Brasil é Soberana, veja o Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer Portanto, sem votação de projeto lei que regulamente a profissão de Acupunturista no Brasil, nenhum conselho Federal, nenhuma Decisão Judicial pode impedir quem quer que seja de utilizar a Acupuntura em todo Território Nacional.

UNI: Quais orientações você passa para os profissionais acupunturistas?

Dr. João Araujo: Os profissionais da Saúde devem procurar suas associações de especialidades, para terem seus direitos profissionais e constitucionais garantidos, seja por declarações profissionais mal intencionados ou veículos de informações que divulgam notícias corporativas e mentirosas produzindo prejuízos morais ou profissionais. A Sociedade Brasileira de Fisioterapeutas Acupunturistas – SOBRAFISA é a associação que desde 1999 defende e representa os Fisioterapeutas Acupunturistas em todo o território nacional. Estamos nas próximas semanas, acionando na justiça os meios de comunicação que veicularam inverdades sobre a prática profissional da acupuntura e prejudicaram inúmeros profissionais fisioterapeutas acupunturistas em todo o Brasil.

Para se associar e se unir nessa ação basta acessar os sites: www.sobrafisa.org.br ou www.ipescursos.com.br.